Tirando suas dúvidas dos materiais elétricos utilizados na indústria

Atualmente, é praticamente impossível que uma indústria atue sem contar com ao menos um equipamento eletrônico. Estes são aparatos que fazem a distribuição das correntes elétricas por meio de circuitos bem elaborados presentes em seu interior, de modo que o seu funcionamento seja mais eficiente.

Entretanto, o funcionamento de tais objetos só é possível se houver uma estrutura elétrica bem elaborada e constantemente vistoriada por um eletricista devidamente qualificado para tal.

Afinal, a energia que é transmitida no interior de eletrônicos é proveniente justamente da rede de distribuição elétrica. Assim, qualquer problema nela afeta o seu funcionamento.

A boa notícia é que, graças à internet, está cada vez mais fácil entender qual é o papel de cada componente do circuito elétrico, de modo que também fica mais simples identificar defeitos e providenciar a manutenção necessária. Confira as respostas para algumas dúvidas comuns a respeito deles, a seguir:

  1. Como são montados os painéis elétricos?

De todos os itens que fazem parte das estruturas elétricas de edifícios, o painel de controle é um dos mais importantes.

Também conhecido como quadro de distribuição, trata-se do local onde é feita a divisão da energia elétrica que chega ao imóvel por meio da rede de distribuição, de modo a encaminhá-la aos locais onde é necessária. Assim, qualquer defeito pode prejudicar o funcionamento dos equipamentos elétricos em seu interior.

A boa notícia é que isso é relativamente fácil de se evitar: basta investir em um serviço de montagem de painéis elétricos profissional.

A partir de uma chapa metálica, a pessoa que for responsável pela tarefa incluirá outros componentes necessários para que o item funcione, tais como:

  • Fusíveis;
  • Disjuntores;
  • Unidades de proteção;
  • Fios.

Além disso, ela garante que os disjuntores sejam devidamente isolados, de modo que possam captar a energia necessária para alimentar os equipamentos conectados a eles sem maiores problemas.

Da mesma forma, os fusíveis devem ser instalados da maneira correta: estes são os itens de segurança do quadro, causando um curto-circuito quando for detectada uma sobrecarga. Assim, ele protege o sistema como um todo.

  1. Para que serve a ponte retificadora?

Nem todas as correntes elétricas são iguais: elas podem ter algumas variáveis que as distinguem umas das outras. Entre elas, estão o sentido, a intensidade, o tipo (alternada ou contínua) e a tensão.

No caso desta última, ela pode ser comparada à força com a qual a água sai de uma torneira, com a diferença de que isso se aplica ao fluxo de energia por uma estrutura elétrica.

Já no caso do tipo da corrente, a diferença é o fluxo: no caso da contínua, ele é sempre na mesma direção, enquanto que, na alternada, a direção muda periodicamente.

Por conta disso, cada tipo tem aplicações diferentes: a contínua, por exemplo, costuma ser usada para alimentar soquetes, conectores, interruptores e lâmpadas por conta de sua tensão, que costuma ser mais baixa. Já no caso da alternada, suas principais aplicações são a distribuição e a transmissão de eletricidade.

E devido a isso, tanto em casas quando em indústrias, há a necessidade de se transformar um tipo de corrente em outro. Isso, por sua vez, é feito por meio de um equipamento: a ponte retificadora trifásica.

Ela garante que o tipo de corrente usado é o mais apropriado para aquele contexto, evitando defeitos em equipamentos elétricos e até mesmo acidentes.

  1. Para que serve a máquina de fusão de fibra?

Apesar da adequação do tipo de corrente às necessidades da indústria ser importante, também é essencial que suas instalações elétricas sejam apropriadas para fazer uma distribuição segura e eficiente.

Do contrário, por mais que haja um retificador no local, haverá riscos tanto às pessoas quanto aos equipamentos conectados à rede.

Em outras palavras, isso significa que as instalações elétricas devem ser compostas por fios e cabos de qualidade e adequados às características da corrente que passará por eles.

Normalmente, o material de escolha é a fibra ótica, devido à seu baixo peso, espessura e grande resistência. O problema é que, em algumas situações, pode ser preciso fundi-las, para que elas deem origem a uma estrutura mais robusta.

Felizmente, há um equipamento desenvolvido especialmente para tal: a máquina de fusão de fibra. Como o seu próprio nome diz, ela é capaz de fazer com que duas fibras sejam fundidas em uma, praticamente sem perdas no ponto onde a fusão acontece. Assim, é possível prolongar um cabo sem maiores problemas.

redator Autor