Tirando suas dúvidas sobre as válvulas utilizadas na indústria

Tubulações industriais devem ser, invariavelmente, sujeitas à manutenção. Isso significa que, por mais perfeito que esteja o estado de conservação destas, sempre podem necessitar de manutenção, revisão, alteração, expansão, eventualmente supressão.

De qualquer modo, para acessar o ramal, é essencial dispor de uma Válvula gaveta ou equivalente, com a qual o ramal deve ser isolado.

Esse tipo de válvula recebe este nome por executar um movimento semelhante ao de uma gaveta, embora sua ação lembre mais uma guilhotina: à medida que a lâmina avança sobre o curso do fluido, a vazão decai, a pressão após a válvula decai igualmente, e, ao atingir o fechamento máximo, a vazão cessa.

A montante, de onde a vazão provinha, a pressão atinge o valor máximo, pressão essa que o registro de gaveta deverá suportar sem ser abalada.

Válvulas gaveta são acionadas manualmente: à medida que o volante é girado no sentido horário, a gaveta avança progressivamente no sentido do fechamento. Girando o volante no sentido anti-horário, ocorre o efeito inverso.

Controle de gases

As aplicações de precisão têm como alternativa o uso de Válvula agulha, indicada para uso com gases e vapores. A denominação se baseia nos formatos do obturador e da sede, ambos cônicos.

O acionamento é feito pela rotação de volante, viabilizando aplicações em indústrias de processamento de petróleo, óleos mineral, sintético ou vegetal, água, e diversos fluidos.

Retenção

É comum em sistemas termopneumáticos que vazões sejam interrompidas, seja por uma súbita queda de energia, seja porque o processo tenha atingido o ponto de operação, o que possibilita reduzir a pressão sobre um determinado fluido.

Um dos cuidados a se tomar, ainda na fase de projeto, é verificar se o refluxo pode trazer prejuízos durante o período sem pressão.

É possível que resquícios de substâncias indesejáveis possam refluir para a matéria-prima, podendo comprometer a retomada da vazão: visando evitar contratempos, um recurso à disposição é a valvula de retenção, dispositivo acionado automaticamente; quando a pressão supera a pressão a montante, a válvula bloqueia automaticamente nas tentativas de inversão de vazão.

Cabe apenas determinar a composição da válvula, dos componentes internos, e a bitola dos dutos de acesso.

Curiosamente, é deste tipo de dispositivo que se inspirou o termo válvula eletrônica. Trata-se dos tubos de vácuo com anodo aquecido por filamento.

Caracterizados originalmente como conduzindo do eletrodo quente para o frio, geravam o efeito diodo, mas o nome genérico se propagou para outros modelos de tubos de vácuo, triodos, tetrodos, pentodos, hexodos e heptodos, que ainda hoje fazem sucesso na fabricação de amplificadores de áudio.

Válvulas de controle

São as chamadas válvulas de dosagem de processos, que formulam reações químicas e proporções entre reagentes. Podem ser controladas por circuitos pneumáticos ou elétricos, respondendo, proporcionalmente, aos sinais de pressão ou corrente recebidos.

É a Calibração de válvulas que possibilita assegurar a correlação linear entre o sinal recebido e a abertura da vazão correspondente.

Projeto de circuitos hidráulicos ou pneumáticos

Circuitos de controle e de comando de vazões em muitos aspectos se parecem com circuitos elétricos: necessitam de energia para que a vazão flua.

Assim como elementos elétricos em um circuito, dispositivos fixos consomem energia, no caso da vazão, roubam carga.

Isto vale para válvulas, que são vendidas com a informação de índice de perda de carga: no interior da válvula, o fluido sofre perturbação, seja pela geometria dos componentes internos à válvula, seja por estreitamentos ou alargamentos na passagem do fluido, eventos que contribuem para gerar turbulências, o que se traduz em perdas de energia para deslocar o fluido.

Corrosão

Os torvelinhos podem gerar um fenômeno conhecido como cavitação, que tende a desgastar as superfícies das válvulas.

Uma vez danificada a superfície da cavidade interna, a turbulência se acentua, e o desgaste progride geometricamente, levando à perda muito rápida da funcionalidade e eventual vazamento da válvula.

Para evitar dissabores, o material que compõe válvula deve ser escolhido coerente com a aplicação. Materiais componentes de válvulas podem ser:

  • Latão;
  • Poliuretano;
  • PVC;
  • Inox;
  • Aço Carbono;
  • Entre outros.

Descargas

valvula de descarga compõe equipamentos sanitários, como a população com certeza conhece de sobra. Trata-se de dispositivos que lidam com linhas altamente pressurizadas, capazes de vazões elevadas, mas que funcionam como monoestáveis hidráulicos.

Dimensionadas para dar vazão a excrementos, há alguns anos vêm oferecendo alternativas de volume, diferenciando ciclos de exaustão de líquidos dos ciclos de exaustão de cargas mistas.

As válvulas de descarga devem ser altamente confiáveis, devendo assegurar repetibilidade sem danos ao longo de centenas de ciclos.

O que possivelmente mudará no futuro será um maior uso de válvulas solenóides, provavelmente com acionamento duplo, misto de elétrico e mecânico, de modo a deixar os sistemas com alternativas técnicas, quando falhas ocorrerem.

redator Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *