Automação industrial: entenda melhor

O mundo está cada vez mais tecnológico e toda essa mudança faz com que as fábricas e indústrias tenham que se adequar a essas novidades.

Um princípio básico da era da internet e da tecnologia é a automação. De maneira geral, a automação é um conjunto de sistemas que possibilitam a operação e a gestão de determinadas plantas de produção de modo automático, diminuindo mão de obra e fabricando de maneira eficiente.

Existem diversos tipos de mecanismos presentes em uma automação industrial como a pneumática e a mecânica. Muitas vezes esses mecanismos trabalham em conjunto para que a indústria se desenvolva de maneira extremamente rápida.

O que é a automação industrial?

A automação industrial pode ser definida como a aplicação de tecnologias diversas de software, hardware e equipamentos específicos especializados em todos os processos produtivos.

A automação se caracteriza pela capacidade de autonomia em todos os sistemas.

A automação sempre está voltada para que a indústria aumente a qualidade dos produtos fabricados, de modo que a capacidade de proteção seja mais eficiente e faz com que os custos de produção e do projeto diminuam.

Graças a tecnologia, as indústrias tem feito a automação industrial de modo que a linha de produção acompanhe o avanço da tecnologia.

Tipos de automação

Existem diversos tipos de automação industrial existentes e que podem ser empregados dentro de diversos tipos de fábricas e indústrias de diversos setores, como:

  • Automação fixa;
  • Automação programada;
  • Automação flexível.

A automação fixa se caracteriza pela forma rígida que os componentes de automação são instalados. Assim, uma vez determinado como será feito não é possível fazer a alteração, a não ser que ocorra a produção de um novo projeto.

Apesar de ter essa inflexibilidade de mudança, há bons ganhos quando se trata de produção em grande escala, já que garantem a redução do custo por unidade produzida.

Os primeiros exemplos de automação industrial fixa foram implantados na montagem de automóveis nos Estados Unidos, espalhando-se para o resto do mundo.

A automação programável é uma outra forma de automação de máquinas industriais e é mais indicado para fábricas que possuem grande variedade de produtos.

Dessa forma, os sistemas agregam diversos produtos em sua planta, bastando apenas que seja feita as mudanças no controlador, gerando uma alternância de produção distintos.

O grande problema é que a cada reconfiguração de variedade de produto pode demandar um tempo significativo, por isso que é necessário fazer um planejamento de produção.

Já a automação flexível é feita por meio de empresas de automação industrial SP e consiste na grande flexibilidade de configuração desse sistema.

De maneira geral, ele assegura ao gerente da operação uma grande versatilidade na modificação da produção. Essas operações são controladas por meio de códigos dados aos operadores.

Automação versus mecanização

Todos esses processos são importantes dentro de uma fábrica, principalmente para aqueles que pretendem transformar a sua fabricação mais tecnológica e eficiente.

Entretanto, as pessoas confundem a automação com a mecanização e, desse modo, implementam os sistemas errados.

De maneira geral, a mecanização se limita apenas ao emprego das máquinas para execução de tarefas específicas, substituindo o esforço físico, que antes era usado.

Agora, a automação industrial atua junto com fornecedores de cabos elétricos e de softwares de modo que as máquinas atuam de maneira inteligente, não executando apenas tarefas, mas conseguindo realizar processos complexos de forma automático.

A automação: seu desenvolvimento

Todos esses sistemas de automação não surgiram de repente, mas como fruto de processos tecnológicos desenvolvidos a partir do final do século XIX e começo do século XX.

Essas primeiras automações eram feitas por meio de peças mecânicas que “automatizavam” algumas etapas que eram muito repetitivas.

Depois, essas peças mecânicas foram sendo substituídos por relés elétricos, fazendo com que os sistemas fossem mais sofisticados.

Na segunda guerra mundial, as empresas se beneficiaram com as máquinas de código por meio de comandos numéricos, de modo que os sistemas de controle sejam feitos de modo mais eficiente.

Assim, surgiram os sistemas analógicos que, durante os anos 1970 evoluíram para os sistemas de código por computadores e assim por diante.

As automações industriais possibilitaram:

  • Agilidade nos processos;
  • Aumento da produtividade;
  • Flexibilidade de produção;
  • Processos seguros.

Assim, a automação industrial tem se tornado a grande aposta das indústrias para o desenvolvimento de métodos e operações, fazendo com que se tornem mais seguros e eficientes.

redator Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *