A produção de motores elétricos

Quem trabalha com o inventário de máquinas e equipamentos sabe que a indústria depende de uma gama de maquinários para atuar.

Do contrário, boa parte de suas atividades teriam que ser feitas de modo manual, o que prejudicaria seriamente a sua produtividade e, consequentemente, elevaria o preço de seus produtos tanto para consumidores finais quanto para os revendedores.

Entre os vários itens essenciais para as operações dos estabelecimentos desse segmento estão os motores elétricos, usados em boa parte das máquinas atualmente empregadas em linhas de produção Brasil afora.

Quer saber mais sobre eles e seu funcionamento? Então continue lendo e confira algumas informações importantes a respeito desses itens, suas aplicações e como eles são fabricados:

O que é um motor elétrico?

Um motor elétrico nada mais é do que um motor que converte energia elétrica em mecânica, permitindo que as peças móveis da linha de produção possam realmente se movimentar.

Por conta disso, um dos principais itens verificados durante a manutenção em ponte rolante, entre outros equipamentos, é justamente se o seu funcionamento se dá da maneira adequada: em boa parte dos casos, os problemas de movimentação são provenientes do motor.

Como funciona um motor elétrico?

O princípio do funcionamento de um motor elétrico é relativamente simples: sua base é a repulsão natural entre dois ímãs, tanto no caso de um motor weg, que é de baixa potência e costuma ser instalado em eletrodomésticos, quanto modelos mais potentes, projetados para o uso em máquinas pesadas e de grande porte.

Tudo começa quando o motor é alimentado com energia elétrica. A partir desse momento, as partes raspadas da espira entram em contato com a haste, o que, por sua vez, faz com que se configure um circuito elétrico.

Graças às propriedades eletromagnéticas da corrente, ela se converte em um ímã não natural, que repele-se contra o imã fixo (natural) que consta na estrutura do motor.

Isso, por sua vez, moverá a espira, originando a força mecânica que é a finalidade do funcionamento do equipamento. Por mais que em algumas ocasiões seja necessário um impulso inicial, o mecanismo costuma ser eficiente, além de não ter gases tóxicos como produto do processo.

Como são feitos motores elétricos?

Para reduzir a necessidade da realização de procedimentos de manutenção, como o rebobinamento de motores, é fundamental que todo e qualquer motor elétrico seja bem elaborado.

Na prática, isso significa que é fundamental que ele seja projetado por profissionais qualificados, e que seja montado por meio de componentes de qualidade.

Quer saber como um motor elétrico é feito? Então continue lendo e confira algumas etapas desse processo, bem como algumas dicas para que ele tenha um melhor resultado:

  1. Definição da capacidade do motor

Nem todos os motores elétricos são iguais: dependendo de sua estrutura, ele pode ter variações tanto em seu funcionamento quanto no resultado do processo que acontece em seu interior.

Por conta disso, o primeiro passo ao projetar uma máquina do tipo deve ser definir qual é a necessidade do equipamento no qual ele será instalado e para o qual proverá energia.

  1. Elaboração do projeto

Com a capacidade e outros pormenores do funcionamento do motor definidos, chega o momento de efetivamente projetá-lo. Neste momento, é preciso definir a localização e as demais características, como:

  • Entrada de energia;
  • Imãs naturais;
  • Imã fixo;
  • Espiras.

Vale lembrar que, por mais que o custo de componentes de qualidade seja mais alto, ele compensa: quando são de segunda categoria, as chances de que o equipamento tenha problemas de desempenho e/ou que apresente defeitos de modo constante é mais alta.

Isso, por sua vez, vai requerer procedimentos de manutenção de ponte rolante, ou qualquer que seja o equipamento onde ele está instalado, com mais frequência, prejudicando a eficiência da linha de produção.

  1. Montagem

Com o projeto do motor concluído e os seus componentes definidos, chega o momento de tirá-lo do papel e montá-lo conforme as especificações do documento criado anteriormente.

Nesse momento, é fundamental que todos os profissionais envolvidos contem com equipamentos de proteção individual (EPIs) apropriados, de modo a manter sua integridade.

Vale lembrar que, conforme a legislação brasileira, isso é de responsabilidade do empregador, sendo vedado a ele fazer qualquer tipo de cobrança relativa a tais itens de seus funcionários.

redator Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *